Cinzas

Posted: 27 de mar de 2012 by Lux Alt in Marcadores: , , ,
1

Em círculos fulgurantes de festas distantes,
Dançamos em espiral e celebramos o vinho.
Após tantas lágrimas de gozo entre inalantes,
Tudo cai em cinzas tão insólitas quanto caminho...
Cinzas, cinzas constantes.

Tantas horas em êxtase jogadas num incêndio,
E ao fim não sobra tanto quanto as sombras.
Tantos joguetes tecidos por custo e dispêndio,
Para nada custar tão caro quanto doces lombras...
Cinzas, cinzas de estipêndio...

Quanto tempo jogado ao léu como nunca passado,
Quantos passos andados num caminho estresido.
Quantos aforismos de lado ao céu tão, tão nublado...
Quantos desgostos amargados pelo erro repetido.
Cinzas... Cinzas de vulcão adormecido...




1 coments:

  1. Insatisfação Contínua says:

    Realmente, cinzas...linda!
    Mas como dizia minha sábia abuelita:
    "cuidado que esse menin@ é fogo de munturo...por fora só fumaça mais por dentro queima".