Receita de Caviar Vegan

Posted: 31 de jan de 2014 by Lux Alt in Marcadores: , ,
1

    Não sou do tipo de vegan que se proíbe de fazer algo que semelhe com origem animal. Como, por exemplo,  já vi pessoa não comer seitan pelo fato de parecer carne... Acho irrelevante a comida ter ou não tal aparência/sabor semelhante. Lembremos que produtos de origem animal quase sempre sofrem processo de adição de sabor (com temperos e etc) e alteração de condição através de temperatura. Assim como muitos pratos vegetais. Então vamos deixar de mimimi de que isso parece com aquilo ou aquilo parece com isso.
Finalizando: Animal ou algo de origem animal não se parece com comida e ponto final!

***
 Ingredientes:
- 100 gramas de Sagu;
- 1 xícara de chá de shoyu;
- Tempero para peixe (não é tempero de peixe heim!);

Modo de preparo:
Cozinhe o sagu em água por 30 minutos. Mexa de vez em quando para não grudar muito no fundo da panela. Vai ficar com uma aparência gelatinosa e com um tipo de baba gosmenta. Escorra e lave até sair boa parte da goma. Ponha em um recipiente e adicione o shoyu e o tempero para peixe. Mexa um pouco para espalhar bem o tempero. Deixe descansar na geladeira por pelo menos 20 horas. E está pronto.

 Resultado:
Mesmo tendo absorvido completamente todo o shoyu, o sabor ficou suave e não muito salgado. A aparência é bem interessante. Dessa vez quis fazer mais ou menos como da fonte que adaptei. Mas futuramente testarei com mais temperos e sabores mais fortes.
Se o resultado ficou parecido com caviar? Como vou saber... Nunca comi caviar! Contudo, segundo pesquisei... Caviar deve ser comido gelado e com alguma massa seca de sabor neutro. Pode acompanhar algo mais com um sabor intermediário. No caso, usei tofu. Ficou bem legal.

Receita adaptada do blog Adoro Crochê e Costura

O fútil terror do caviar:
“A fêmea de esturjão, capturada viva, é transportada até uma mesa de metal onde é atordoada e lavada. O seu ventre é então aberto com precisão, enquanto ainda viva (já que a sua morte liberta toxinas nefastas para as ovas), sendo o saco de ovas extraído, lavado e imediatamente pesado. Tradicionalmente a fêmea é depois morta e encaminhada para processamento (com vista nomeadamente à comercialização da carne), embora hoje em dia, particularmente com esturjões de aquacultura, seja cada vez mais comum a remoção cirúrgica das ovas, assim permitindo que as fêmeas continuem a produzir mais durante o seu tempo de vida.”


O sagu brasileiro é feito de fécula de mandioca, que por sua vez é um subproduto da moagem do tubérculo para a confecção de farinha.
Em todo o Brasil o sagu é mais empregado em receitas doces, servido como sobremesa que também é chamada de Sagu, feito com vinho, suco de uva, suco de laranja, suco de abacaxi, leite de coco, temperado ou não com especiarias, gengibre e/ou ervas aromáticas. Não se descarta seu uso em pratos salgados e sopas.
O sagu também é empregado no artesanato caseiro, com adição de corantes, essências e fixador para sabonete e embalados em um tipo especial de tecido para compor sachês perfumados.

Suas propriedades nutritivas são: cálcio, ferro, fósforo, sais minerais e vitaminas do complexo B. Pode ser preparado com suco de uva. É um alimento de fácil aceitação e pode complementar a alimentação das crianças e dos bebês o ano todo.

Em duas colheres de Sagu:
Valor energético: 114
Carboidratos: 28g       


Curiosidades
Nos Estados Unidos, o sagu brasileiro é chamado de (tapioca em pérola);
Em 2008, o chef norte-americano Andrew D'Ambrosi venceu um campeonato de culinária em reality show com uma receita de Faux Caviar (Falso Caviar), usando sagu tingido com urucum e temperado com suco de laranja.


Fonte: Wikipédia

1 coments:

  1. Diovany says:

    Fica maravilhoso!!!